quarta-feira, 22 de maio de 2013

Angano...angano-Contos de Madagascar

 
Crítica: Angano... Angano... Contos de Madagascar


Sinopse: "Contos, contos, nada além de um conto", diz um dos mestres contadores de histórias no início deste documentário cativante e aparentemente tranquilo. "Não sou eu quem está contando mentiras, mas o povo de muito tempo atrás. - e é assim que ouviram também."

Angano... Angano... Contos de Madagascar ("Angano" significa "história") mostra a cultura viva do povo malgaxe (de Madagascar), que resistiu, desde a independência formal em 1960, a um regime neocolonialista, um governo autárquico de esquerda e dificuldades econômicas que se mesclam com depredação ecológica. As histórias são contadas através das vozes de diversos narradores, homens e mulheres.
O que inicialmente parece uma pitoresca recaptura do folclore, progressivamente se afirma como uma poderosa declaração sobre uma tradição vital, não um retrocesso, mas um confronto com os usos, costumes e ideologias das poderosas sociedades industriais que essas pessoas reconhecem e desafiam. Como explica um historiador no final, a "missão civilizadora francesa" foi, entre outras coisas, uma tentativa de substituir e suplantar a cultura malgaxe, mas "a história oral é a nossa história."
Os contos em si têm uma pungência e encanto que dão um gosto especial à descoberta dessa cultura complexa. A origem do arroz está em um menino tão preguiçoso que "espera que Deus o alimente." (Felizmente para ele, ele se casa com a mulher certa.) A origem do costume de sacrificar seus rebanhos de gado zebu também é um conto de alerta de ganância e da falta de reverência. Talvez a sequência mais impressionante seja a que destaca um costume possivelmente exclusivo do Madagascar, o de desenterrar a família morta durante um festival anual, no qual eles celebram a parte dos antepassados n​a família viva e, em seguida, embrulham-nos com ternura e enterram-nos novamente . Infundido em memória popular, comemorado com música viva e conduzido de um modo estridente, o festival faz uma marcha fúnebre de New Orleans parecer contida. Ele também ilumina a importância do senso malgaxe de lugar, para o qual se vive nas vidas de seus descendentes.
Assim, o filme celebra a cultura malgaxe, elevando o folclore ao seu lugar apropriado, como parte do tecido da ideologia diária e reformulando a importância da tradição oral.
Antecedentes do diretor e do filme: O filme foi co-dirigido por uma equipe de marido e mulher, Cesar Paes e Marie-Clémence Paes Blanc. Ele é brasileiro; ela nasceu em Madagascar de uma mãe malgaxe e pai francês. "Não queríamos começar o projeto com uma abordagem ocidental de 'Vejam o que podemos trazer para este país'", disse Paes a uma revista francesa. "Nossa abordagem foi mais para dizer 'O que países como Madagascar, o Brasil ou outros nos dizem?"
As lições são muitas, como Don Consentino explica no catálogo da Califórnia Newsreel para a Library of African Cinema. O professor de folclore e mitologia africanos da Universidade da Califórnia em Los Angeles acredita que Angano... Angano "pode muito bem ser chamado de um dos primeiros filmes 'pós-modernos' sobre folclore e mitologia", pois "torna visíveis as ficções necessárias a partir das quais construímos nosso senso do real. Revela os limites sempre mutáveis, talvez ilusórios, entre a realidade e o mito."
Contexto de produção do filme: Madagascar não tem histórico de produção de filmes e este trabalho foi executado como um projeto pessoal com recursos financeiros de fora do país. Madagascar, uma ilha ao largo da costa de Moçambique, inicialmente atraiu sua população tanto da África quanto da Ásia, e a ilha esteve sempre no cruzamento das trocas internacionais. Sua crise ecológica atual deriva da remoção drástica de florestas das montanhas para plantios tropicais, uma prática que se generalizou durante o domínio colonial francês a partir do início do século. A independência, em 1960, também precipitou uma turbulência política interna; a queda de preços das florestas tropicais não tem sido favorável para a economia de Madagascar, já endividada nos últimos anos.


Fonte: http://cine-africa.blogspot.com

Seguidores

Pensamento

POIS NUNCA PERDE A LIBERDADE
QUEM LUTA E FAZ DO SONHO SUA VERDADE

1) Filhos da Candinha, ano.1993

Um Anjo Negro de Asas Brancas Chamado Liberdade