segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Conferência Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres de Cachoeirinha lotou o salão do Centro de Referência em Assistência Social Herbert de Souza, durante todo o dia nesta terça-feira, dia 23/8.

 Em sua terceira edição, a Conferência Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres de Cachoeirinha lotou o salão do Centro de Referência em Assistência Social Herbert de Souza, durante todo o dia nesta terça-feira, dia 23/8. Com o tema "Mulheres de Cachoeirinha enfrentando a violência e conquistando sua independência política, financeira e social", o evento contou com mais de 100 participantes e foi organizado pela Secretaria Municipal de Governo, através da Gerência de Políticas Públicas de Gênero (GPPG) e do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (COMDIM).

Segundo Gilso, é preciso buscar e lutar por uma maior participação das mulheres em todos os seguimentos. "Em nosso legislativo temos apenas uma vereadora, e isso deve mudar por uma melhor representatividade das mulheres". Já Giovana ressaltou que o tema da conferência é um debate a ser feito por toda a sociedade e não apenas por mulheres. "É bom poder ver aqui representantes masculinos envolvidos neste trabalho". De acordo com a primeira-dama, ver o salão lotado na 3ª conferência é uma prova da sensibilidade da comunidade sobre o assunto. "E muitas outras mulheres antecederam esta luta que damos continuidade hoje de busca por direitos e oportunidades".

Na sequência, a psicóloga Sandra Martins, falou sobre a independência psicológica que deve ser trabalhada. "Nas situações mais diversas de sofrimento a mulher sempre poderá encontrar uma brecha para que aconteça a mudança". A jornalista Sônia Zanchetta, que abordou o tema cultura, ressaltou que no início dos tempos o termo era visto apenas como um sinônimo ao cultivo. "A cultura de um grupo humano é tudo o que essa comunidade acumulou durante a sua trajetória".
- A moradora de Canoas, Ângela Chaves, de 46 anos, aproveitou o grande número de mulheres participantes da Conferência para apresentar seu livro autobiográfico Lágrimas de Silêncio - A história de Angélica violentada, abusada e prostituída. Uma sobrevivente do incesto. Na obra, a escritora conta sua história de violência sexual infantil causada pelo pai e o irmão, os quais ocasionaram nela duas gestações, respectivamente. "Hoje minhas filhas têm 30 e 27 anos e há poucos anos souberam quem era seus verdadeiros pais", conta emocionada Ângela. Abusada pelo pai desde os sete anos, sob o olhar silencioso da mãe, ela viveu o drama do incesto, da infância à adolescência foram anos de abusos.
Afastada da família, ela frisa a indiferença com que as pessoas próximas agem em uma situação de violência infantil. "Eu era vista e tratada como responsável pela agressão que eu mesma sofria. Quando o meu livro foi lançado este ano fui agredida por familiares, me diziam que eu não tinha o direito de expor a família ao ridículo, mas a minha vida ter sido destruída por homens violentos e sem escrúpulos não havia problema", desabafa a escritora, que vai autografar sua obra na Feira do Livro de Porto Alegre.
Ana Maciel
Angela descreveu violência em livro autoral
Angela descreveu violência em livro autoral

Violência autobiografada
Ana Maciel
Rudinéia falou sobre violência
Rudinéia falou sobre violência

Durante a manhã foram debatidos diversos temas envolvendo violência, independência política, cultural, social e financeira. Dentre estes, as "Políticas de enfrentamento à violência", abordado pela advogada Rudinéia Souza, assessora do Centro de Referência da Mulher Estadual, falou da vulnerabilidade pela qual a violência expõe as mulheres. "Mulher em situação de violência não sabe por onde começar, onde buscar auxílio, e nesse momento, de quem ela mais precisa, além da polícia e outros serviços, é da família, que precisa dividir com ela a responsabilidade de trabalhar junto contra essa agressão".
Ana Maciel
Márcia e Beatriz, organizadoras.
Márcia e Beatriz, organizadoras

Participaram da abertura o vice-prefeito, Gilso Nunes; Gerente da GPPG, Beatriz Martins; presidente do COMDIM, Marcia Weber; adjunta da Secretaria Municipal de Cidadania e Assistência Social, Letícia Gomes; primeira-dama, Sueli Pires; representando a Câmara Municipal, vereador Gelson Braga; e a representante da Secretaria Estadual de Políticas Públicas para as Mulheres, Giovana Vargas.

Seguidores

Pensamento

POIS NUNCA PERDE A LIBERDADE
QUEM LUTA E FAZ DO SONHO SUA VERDADE

1) Filhos da Candinha, ano.1993

Um Anjo Negro de Asas Brancas Chamado Liberdade