segunda-feira, 23 de junho de 2014

Conteúdo gratuito e jogos educativos são tendências do ensino a distância

Confira abaixo as sete principais tendência dos cursos EAD. 1 – Curadoria de temas “Hoje as pessoas, independentemente de idade, profissão ou escolaridade podem estudar e aprender o que quiserem, quando quiserem, no ritmo que quiserem, sem intermediações de instituições ou professores. O processo de educação será cada vez mais centrado nos interesses do aluno, que tem cada vez mais poder de acessar, escolher”, avalia Martha Gabriel, escritora e consultora nas áreas de inovação e educação. Para a especialista, essa tendência afetaria drasticamente o sistema de EAD. “Eles devem funcionar cada vez mais como hubs de referências [curadoria] e de interação do que apenas repositório de conteúdos e sistema de avaliação. A tendência é que o EAD passe a ser um facilitador aberto interativo e não um sistema fechado engessado”. 2 – Mais conteúdo gratuito Oferecer conteúdo gratuito tanto como complemento de um curso presencial ou como conteúdo adicional é outra tendência. Um exemplo são os chamados REA (Recursos Educacionais Abertos), materiais de ensino que estão sob domínio público na internet, disponíveis para que qualquer um possa usar. “No Brasil a tendência é que o REA cresça, mas não tanto como deveria. Aqui ainda é difícil os colégios fazerem seus próprios vídeos ou disponibilizarem apresentações de PowerPoint para download. Hoje podemos nos dar o luxo de dar de graça o conhecimento que pode ser útil para as pessoas. Isso não dá um diploma, mas gera o interesse no conteúdo”, diz Fredric Michael Litto, professor emérito da USP e atual presidente da Abed. O uso de ferramentas digitais e do conteúdo disponível na internet em sala de aula passa também pela mudança da cultura da escola. “O maior problema é a capacitação dos professores. O professor passa a ter um papel bem diferente em sala de aula. Não é só aquele que detêm o conhecimento, mas aquele que vai conduzir o processo de aprendizagem”, comenta Stavros Xanthopoylos, vice-diretor do Instituto de Desenvolvimento Educacional da FGV. “O desafio é preparar os professores. Pouco tem sido feito aí. Você tem que estabelecer aquilo que efetivamente cabe na realidade da escola”. 3 – O futuro dos Moocs Para Litto o futuro dos Moocs é incerto. “Estatísticas dizem que, em média, apenas 4% dos alunos que se inscrevem terminam o curso e nenhuma instituição oferece um curso de graduação completo pelo Mooc”, diz Litto. Para ele, a tendência é migrarmos para os Moops (programas massivos abertos online), que seriam mais próximos aos cursos de graduação, mas com um tempo menor e disponível para diversas áreas do conhecimento. “Muitos cursos Moocs estão calcados na tecnologia de massa com modelos pedagógicos muito pobres e sem avaliação, uma tecnologia basicamente de rede com participação muito mais dos estudantes do que de instituições e professores”, avalia Stavros, ao citar um dos pontos fracos do modelo que permite que qualquer pessoa assista aulas gratuitas de universidades como Yale, Harvard, Stanford, entre outras, pela internet. Wilson Azevedo, diretor da Aquifolium Educacional e ex-diretor de qualidade da Abed, vê outra possibilidade no que ele chama de “Mooc invertido”, ou seja, o uso do conteúdo desses cursos dentro de uma sala de aula invertida. “Você teria um Mooc oferecido por uma universidade de ponta, brasileira ou estrangeira, sendo adotado por instituições de ensino que não são de ponta, permitindo que esses alunos façam cursos de alto padrão de qualidade, acompanhados por professores dessa instituição, de forma presencial ou a distância, com a certificação dada pela instituição local onde o aluno está matriculado”. 4 – Aperfeiçoamento do mobile Projetos educacionais na África vêm mostrando o potencial do celular para aumentar o acesso ao conhecimento. Mas ele também deve ser visto como uma extensão das plataformas de ensino a distância e não apenas repetir o conteúdo produzido para outros dispositivos. “A mobilidade traz consigo um leque enorme de tendências que fazem com que qualquer sistema de EAD precise considerar o mobile como um dos seus principais paradigmas”, diz Martha. Aplicativos para busca, de livros, jornais, revistas, jogos, vídeo, mapas, sons, editores, realidade aumentada, foto, gravador estão entre as possibilidades de uso do mobile. “Cada vez mais os EADs tenderão a oferecer experiências e possibilidades móveis, alavancando o m-learning. Isso deve afetar a forma como os conteúdos e sistemas são planejados, pois o modo de acessarmos conteúdos e sistemas mobile é distinto do modo que acessamos os demais dispositivos”, completa a especialista. 5 – Edutainment: mais entretenimento educativo Numa época de excesso de informação, Martha avalia que unir entretenimento e conhecimento pode ser uma fórmula eficiente contra a falta de atenção provocada por esse excesso. “Uma das principais tendências é a utilização do entretenimento, tornando os conteúdos educativos mais atrativos. Um exemplo disso é o Epcot Center da Disney, o Discovery Channel na televisão ou o aplicativo Qranio, que apresentam sua programação informacional por meio de entretenimento. Os sistemas de EAD tendem a incorporar essa característica também, por meio da adoção cada vez maior de jogos, vídeos e atividades lúdicas como formas educacionais”. Fonte: Uol Educação Esse post foi publicado em Notícias e marcado ead, ensino a distancia, gestão escolar online, sistema de gestão escolar, sistema de gestão escolar online, sistema ead, Sistema online, sistema para educação a distância, Sistema para escola, sistema para escolas, sistema para escolas de educação infantil, sistema para faculdades, sistema para universidades, sistema pedagógico, Software para escola, software para escolas, tendências do ensino a distância por Education One. Guardar link permanente.

Seguidores

Pensamento

POIS NUNCA PERDE A LIBERDADE
QUEM LUTA E FAZ DO SONHO SUA VERDADE

1) Filhos da Candinha, ano.1993

Um Anjo Negro de Asas Brancas Chamado Liberdade